Mundo

14 países da OEA, entre eles o Brasil, pedem que Venezuela marque eleições e solte presos políticos

maduro-300x200 14 países da OEA, entre eles o Brasil, pedem que Venezuela marque eleições e solte presos políticosOs governos do Brasil, de outros 11 países da América Latina, além de Estados Unidos e Canadá publicaram uma nota pedindo que a Venezuela cumpra os acordos mediados pelo Vaticano, liberando presos políticos e marcando as eleições previstas para este ano dentro de um “prazo razoável”.

“Consideramos urgente que se aborde, de maneira prioritária, a libertação de presos políticos, que se reconheça a legitimidade das decisões da Assembleia Nacional, segundo a Constituição, e que se estabeleça um calendário eleitoral que inclua as eleições adiadas”, diz o texto.

Os 14 países, todos membros da Organização dos Estados Americanos (OEA) declararam “profunda preocupação” com a situação venezuelana e exigiram um prazo para que o país tome medidas democráticas.

Último recurso

“Recebemos o relatório do secretário-geral da OEA sobre a Venezuela, que analisaremos cuidadosamente, com vistas a acordarmos o curso de ação apropriado dentro da Organização. Sem prejuízo disso, consideramos que a suspensão de um país membro, conforme estabelecido na Carta Democrática Interamericana, é medida de último recurso, considerada após se esgotarem os esforços diplomáticos dentro de um prazo razoável”, diz o texto.

A ressalva, feita diplomaticamente, não esconde a cobrança para que a Venezuela tome medidas consideradas imprescindíveis pela maioria dos países da OEA. Há uma avaliação de que até agora as medidas tomadas pela comunidade regional e internacional não surtiram qualquer efeito, inclusive a suspensão do país do Mercosul, contou uma fonte à agência Reuters.

O texto foi acordado entre as chancelarias dos principais países da região como uma resposta ao chamado que o secretário geral da OEA, Luis Almagro, fez há uma semana. Depois de enviar o relatório sobre a Venezuela aos países da região, Almagro afirmou que, se não cumprisse as etapas negociadas, ele iria propor à Organização a suspensão da Venezuela.

“Por fim, os governos que subscrevem esta declaração reiteramos nossa disposição em colaborar com o povo e o governo da Venezuela em tudo o que possa contribuir para uma solução dos desafios políticos, econômicos e sociais naquele país e nos manteremos atentos aos esforços para a superação desses desafios durante as próximas semanas, a fim de considerarmos os próximos passos necessários”, encerra o texto.

g1

O Pipoco

Jornalismo sério com credibilidade. A Verdade nunca anda sozinha. Apresentaremos fatos num jornalismo investigativo e independente. Com o único compromisso de mostrar para Você, Cidadão, o que acontece nos bastidores da Política; da Administração e Outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar