Mundo

Trump anuncia saída dos EUA do acordo nuclear do Irã

TRUMP-300x200 Trump anuncia saída dos EUA do acordo nuclear do Irã

Depois de repetidas ameaças, o presidente americano, Donald Trump, anunciou nesta terça (8) a retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã, concretizando uma promessa de campanha, mas contrariando as vontadesdos principais países aliados de Washington.

Desde a campanha à Presidência, Trump vinha chamando de catastrófico, desastroso e insano o pacto firmado há três anos, mas demorou 15 meses depois de sua posse para anunciar a retomada de sanções contra Teerã.

Ele demonstrava contrariedade, entre outros pontos, com o fato de o documento não contemplar o programa de mísseis balísticos do Irã, que continua a operar, nem a intervenção do país persa nas guerras da Síria e do Iêmen.

“Se eu deixasse esse acordo de pé, haveria uma corrida por armamentos nucleares no Oriente Médio”, disse o republicano, em discurso na TV. “Não podemos impedir uma bomba nuclear iraniana com a estrutura apodrecida do acordo atual. Ele é defeituoso no próprio cerne.”

acerto firmado em 2015 entre EUA, Irã, França, Alemanha, Reino Unido, China e Rússia impôs limites ao programa nuclear de Teerã. Como contrapartida, sanções econômicas impostas ao país foram aliviadas, rompendo um isolamento longevo.

O Departamento do Tesouro americano informou que, diante do recuo de Washington, será revogada daqui a 90 dias a licença que autorizava a exportação de aeronaves ao Irã. Em um prazo de seis meses, serão reinstituídas as punições para transações com o banco central iraniano e com determinadas instituições financeiras do país.

A decisão dos EUA não significa a extinção do pacto. Mas, na visão de analistas políticos como Tom Nagorski, da Asia Society, um centro de estudos de Nova York, é só uma questão de tempo até os europeus se verem forçados a abandoná-lo.

“Se americanos forem mesmo punir firmas com negócios no Irã [como sinalizado por Trump no pronunciamento], a Europa talvez passe a se preocupar mais com questões da economia”, diz Nagorski.

Para Emma Ashford, analista do Instituto Cato, de Washington, trata-se de uma “vitória de Pirro” para Trump: “Ele cumpre a promessa de campanha, mas joga fora um acordo de não proliferação nuclear que funcionava bem. Há grande incerteza. Ele não tem uma estratégia para depois nem para evitar uma guerra com o Irã”.

O consenso entre analistas é que substituições recentes no gabinete de Trump, que mandou embora há pouco seu assessor de Segurança Nacional e seu secretário de Estado, tenham-no deixado mais confortável para cumprir o que prometera em campanha. O círculo próximo do republicano é cada vez menos moderado.

Um pronunciamento recente do premiê israelense, Binyamin Netanyahu, jogou ainda mais lenha na fogueira e foi decisivo para o anúncio de Trump, que mencionou o colega de Jerusalém no discurso.

Toda pensada para as câmeras, a apresentação de Netanyahu alardeava o conteúdo de documentos roubados pela inteligência israelense que comprovariam que o Irã estava desenvolvendo a bomba atômica há dez anos.

Embora não haja provas de que Teerã tenha retomado o enriquecimento de urânio desde que foi firmado o acordo, o temor agora é que a decisão de Washington de abandonar a medida reavive os planos do Irã de desenvolver um arsenal nuclear.

O presidente iraniano, Hasan Rowhani, foi comedido em suas reações ao anúncio de Trump. Em discurso, disse que, caso seja possível manter a cooperação econômica com outros aliados que firmaram o pacto, nada deve mudar, mas que o Irã pode reativar seu programa nuclear a qualquer momento.

Especialistas também afirmam que a decisão de Trump pode minar um pacto de desnuclearização com a Coreia do Norte ao passar a imagem de que os EUA não são negociadores confiáveis.

“Será muito difícil firmar um acordo nuclear com outro país quando acabam de anular um pacto que ainda nem completou três anos”, diz Nagorski, da Asia Society.

Como funciona o acordo com o Irã

Validade Foi assinado em julho de 2015 por Irã, EUA, Reino Unido, Alemanha, França, China e Rússia, com apoio da ONU, para vigorar entre janeiro de 2016 e 2031

Centrífugas Diminuiu em 2/3 o número de centrífugas de enriquecimento de urânio e obrigou o Irã a reduzir em 98% seu estoque do material, para 300 kg

Combustíveis Impediu o uso de plutônio e limitou o enriquecimento de urânio, dois combustíveis usados em armas nucleares

Inspeções Principais instalações nucleares tiveram seu funcionamento limitado e a Agência Internacional de Energia Atômica ganhou liberdade para fazer inspeções

Economia Países suspendem a maior parte das sanções contra o Irã, e US$ 100 bilhões (R$ 358 bilhões) congelados são liberados

Sanções EUA mantiveram punições contra organizações e indivíduos acusados de terrorismo, de violação de direitos humanos ou de participação no desenvolvimento de mísseis balísticos, mas não contra o programa nuclear em si

Etiquetas

O Pipoco

Jornalismo sério com credibilidade. A Verdade nunca anda sozinha. Apresentaremos fatos num jornalismo investigativo e independente. Com o único compromisso de mostrar para Você, Cidadão, o que acontece nos bastidores da Política; da Administração e Outros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar