Mundo

Dólar mantém tendência de queda a vai a R$ 5,45, menor patamar em dois meses

dolares-669x400 Dólar mantém tendência de queda a vai a R$ 5,45, menor patamar em dois meses

O dólar segue em tendência de queda após a sanção com vetos do Orçamento de 2021, indo ao menor patamar desde 24 de fevereiro.

A moeda encerrou o pregão desta segunda-feira (26) a R$ 5,4490, queda de 0,90%, após o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), declarar que um primeiro texto da reforma tributária será apresentado em 3 de maio. O dólar turismo está a R$ 5,6230.

O destaque do pregão, porém, foi a compra da Hering pelo Grupo Soma, que gerou fortes oscilações nos papéis das companhias.

A ação da Hering chegou a subir 36,38% nesta segunda, mas perdeu fôlego e fechou em alta de 26,19%. Já o papel do Grupo Soma caiu 10,14%.

O negócio, com ágio de cerca de 43,5%, avalia a Hering em cerca de R$ 5,3 bilhões, bem acima da proposta da Arezzo, de R$ 3 bilhões. A clientes, o BTG Pactual afirmou que a aquisição apresenta risco de execução para o Grupo Soma, especialmente considerando a fraca performance operacional da Cia Hering nos últimos anos.

Segundo Pietra Guerra, analista da Clear Corretora, um ponto positivo para o Soma é aumentar a gama de clientes. Segundo ela, a Hering possui 8 milhões de clientes ativos, enquanto o Soma tem 1,2 milhão.

“Além disso, o Grupo Soma tem muita força digital, o que vai ajudar na transformação da Hering”, diz Pietra.

As ações da CVC também reagiram a aquisições. Após a operadora comprar participações em duas empresas argentinas, as ações da companhia subiram 5,14%. O dia foi positivo para o setor de turismo na Bolsa, na esteira de medidas de flexibilização do isolamento social para conter a pandemia da Covid-19 e queda do dólar. Azul evoluiu 1,29%.

Já a Via Varejo — que agora se chamará apenas “Via”— perdeu 2,06%, após teleconferência com investidores. A varejista prevê ter dois terços de suas receitas oriundas do comércio eletrônico em 2025, segmento do qual pretende ter ao menos 20% do mercado.

Pouco antes da divulgação do balanço do primeiro trimestre, a Vale avançou 0,54%. A empresa acompanha a alta de 3,94% do minério de ferro no porto de Qingdao, na China, nesta segunda, para US$ 193,58 a tonelada, o maior valor desde maio de 2008.
No ano, a alta do produto chega a 20%. Na sessão, as ações da CSN subiram 5%.

A expectativa em torno da instalação da CPI da Covid-19 limitou os ganhos do mercado financeiro local no início de uma semana marcada por balanços de empresas, como Petrobras, e dados de inflação e desemprego.

O Ibovespa fechou em leve alta de 0,05%, a 120.594,61 pontos.

Fora do Ibovespa, a GPS avançou 6,67%, a R$ 12,80, em sua estreia na B3.
Nos Estados Unidos, os índices S&P 500 e Nasdaq encerraram em máximas recordes, impulsionados pela expectativa positiva aos balanços trimestrais que serão divulgados nesta semana.

Empresas que constituem cerca de 40% de capitalização de mercado do S&P 500 apresentarão seus balanços trimestrais entre terça (27) e quinta (29), incluindo Microsoft, Alphabet, Apple e Facebook.

Também no radar dos investidores estão os dados do PIB (Produto Interno Bruto) americano do primeiro trimestre, a serem divulgados ao fim desta semana, para avaliar o ritmo da recuperação econômica nos EUA.

No pregão, Dow Jones caiu 0,18%, enquanto o S&P 500 ganhou 0,18% e o Nasdaq subiu 0,87%.

FOLHAPRESS

Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar