Mundo

Suécia e Finlândia estão prestes a aderir à Otan. Por que isso é importante e o que vem a seguir

GettyImages-1405805639-e1656509498511 Suécia e Finlândia estão prestes a aderir à Otan. Por que isso é importante e o que vem a seguirA Suécia e a Finlândia estão formalmente prontas para encerrar décadas de neutralidade e ingressar na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), em um avanço histórico para a aliança que dá um golpe no presidente russo, Vladimir Putin.

O último grande obstáculo à entrada das duas nações no bloco foi removido quando a Turquia abandonou sua oposição na terça-feira.

Esse avanço ocorreu durante uma cúpula da Otan em Madri, que já se tornou uma das reuniões mais importantes da história da aliança militar.

Espera-se agora que os dois países se tornem membros plenos da Otan rapidamente, fortalecendo o flanco leste do bloco meses após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Aqui está tudo o que você precisa saber sobre porque a mudança aconteceu, o que vem a seguir e por que isso é importante.

Quais são os últimos desenvolvimentos?

A Suécia e a Finlândia anunciaram sua intenção de ingressar na Otan em maio, depois que a invasão da Ucrânia pela Rússia causou uma mudança repentina nas atitudes em relação à adesão ao bloco.

Esse anúncio foi bem recebido por quase todos os líderes da Otan – mas havia um obstáculo significativo. O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse que não está olhando para os dois países se juntarem à Otan “positivamente”, acusando-os de abrigar “organizações terroristas” curdas.

Sob as regras da Otan, apenas um estado membro pode vetar a adesão de um novo candidato.

No entanto, um grande avanço diplomático entre os três países ocorreu na cúpula da Otan em Madri na terça-feira. A Turquia assinou um memorando trilateral com a Finlândia e a Suécia, levantando sua oposição e dando-lhes as boas-vindas oficialmente para se juntarem ao bloco.

“Na Otan, sempre mostramos que, quaisquer que sejam nossas diferenças, sempre podemos nos sentar, encontrar um terreno comum e resolver quaisquer problemas. A política de portas abertas da Otan tem sido um sucesso histórico”, disse o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, a jornalistas em Madri.

Na quarta-feira, a Otan convidou formalmente a Suécia e a Finlândia a se juntarem, dando início a um processo de várias etapas que terminará com os dois países como membros plenos.

O que acontece depois?

Stoltenberg disse na quarta-feira que espera que a Suécia e a Finlândia se tornem membros da aliança militar rapidamente.

O convite desencadeia um processo de adesão de sete etapas. Momentos-chave nesse caminho incluem conversas entre a Otan e os países candidatos. Os candidatos devem aceitar formalmente as obrigações de adesão e, em seguida, os atuais estados membros assinam um Protocolo de Adesão, antes de ratificá-lo individualmente em casa.

“Precisamos de um processo de ratificação em 30 parlamentos – isso sempre leva algum tempo, mas também espero que seja rápido porque os aliados estão prontos para tentar fazer esse processo de ratificação acontecer o mais rápido possível”, explicou Stoltenberg na quarta-feira.

Depois disso, o país candidato é formalmente convidado a aderir ao Tratado de Washington, documento fundador da aliança.

A Otan tem uma política de “portas abertas” – qualquer país pode ser convidado a participar se manifestar interesse, desde que seja capaz e esteja disposto a defender os princípios do tratado fundador do bloco.

O processo de ratificação geralmente leva cerca de um ano, desde a assinatura do Protocolo de Adesão pelos membros existentes até a adesão do país ao Tratado de Washington.

Mas a guerra na Ucrânia acrescentou urgência sem precedentes à adesão da Suécia e da Finlândia, e o cronograma pode ser acelerado de acordo.

Como os líderes reagiram?

O presidente dos EUA, Joe Biden, elogiou o avanço com a Turquia, dizendo que enviou um sinal claro à Rússia de que a Otan está unida e crescendo.

A “decisão da Suécia e da Finlândia de se afastar da neutralidade e da tradição de neutralidade para se juntar à aliança da Otan nos tornará mais fortes e mais seguros e a Otan mais forte”, disse Biden. “Estamos enviando uma mensagem inconfundível na minha opinião… que a Otan é forte, unida, e os passos que estamos tomando durante esta cúpula aumentarão ainda mais nossa força coletiva.”

Biden disse que a adesão dos dois países nórdicos foi um sinal de que os objetivos de Putin saíram pela culatra.

“Putin estava procurando a finlandização da Europa”, disse ele, referindo-se à chamada dinâmica de finlandização que viu a Rússia dominar a política externa de seu vizinho menor por décadas. “Ele vai conseguir a otanização da Europa, e isso é exatamente o que ele não queria, é exatamente o que precisa ser feito para garantir a segurança da Europa. E acho que é necessário”, disse Biden.

A medida foi recebida com satisfação em todos os países que compõem a frente oriental da Otan, muitos dos quais expressaram preocupação de que possam ser os próximos na mira da Rússia se for bem-sucedido na Ucrânia.

O primeiro-ministro da Estônia, Kaja Kallas, disse que o passo foi “significativo”, e o presidente da Lituânia, Gitanas Nausėda, chamou de “notícias maravilhosas”.

O que implica a adesão à Otan?

A razão pela qual a maioria dos países aderiu à Otan é por causa do Artigo 5 do Tratado do Atlântico Norte, que estipula que todos os signatários consideram um ataque a um membro um ataque contra todos.

O Artigo 5 tem sido a pedra angular da aliança desde que foi fundada em 1949 como um contrapeso à União Soviética.

O objetivo do tratado e do Artigo 5, especificamente, era dissuadir os soviéticos de atacarem democracias liberais que careciam de força militar. O Artigo 5 garante que os recursos de toda a aliança – incluindo o enorme exército dos EUA – podem ser usados para proteger qualquer nação membro, como países menores que estariam indefesos sem seus aliados. A Islândia, por exemplo, não tem exército permanente.

O ex-líder sueco Carl Bildt disse à CNN que não previa a construção de novas grandes bases militares em nenhum dos países se eles se juntassem. Ele disse que ingressar na aliança provavelmente significaria mais treinamento e planejamento militar conjunto entre Finlândia, Suécia e os 30 membros atuais. As forças suecas e finlandesas também podem participar de outras operações da Otan em todo o mundo, como as dos países bálticos, onde várias bases têm tropas multinacionais.

“Haverá preparativos para contingências como parte de dissuadir quaisquer aventuras que os russos possam estar pensando”, disse Bildt. “A mudança real será bastante limitada.”

Por que a Finlândia e a Suécia ainda não aderiram à Otan?

Enquanto outros países nórdicos como Noruega, Dinamarca e Islândia eram membros originais da aliança, Suécia e Finlândia não aderiram ao pacto por razões históricas e geopolíticas.

Tanto a Finlândia, que declarou independência da Rússia em 1917 após a revolução bolchevique, quanto a Suécia adotaram posições neutras de política externa durante a Guerra Fria, recusando-se a se alinhar com a União Soviética ou os Estados Unidos.

A política de neutralidade da Suécia remonta ao início de 1800, quando o país permaneceu firmemente fora dos conflitos europeus. Seu rei Gustavo XIV adotou formalmente esse status neutro em 1834, de acordo com a Otan, e a Suécia declarou uma política de “não-beligerância” durante a Segunda Guerra Mundial – permitindo que tropas nazistas passassem por suas terras para a Finlândia, ao mesmo tempo em que aceitava refugiados judeus.

A Suécia optou por manter seu status neutro após o fim da guerra.

A neutralidade da Finlândia tem se mostrado historicamente mais difícil, pois compartilhava uma longa fronteira com uma superpotência autoritária.

Um tratado fino-soviético conhecido como Acordo de Amizade, assinado em 1948 e estendido ocasionalmente ao longo das décadas, proibia a Finlândia de aderir a qualquer aliança militar considerada hostil à URSS, ou de permitir um ataque ocidental através do território finlandês.

Para manter a paz, os finlandeses adotaram um arranjo às vezes chamado de finlandização, no qual os líderes acatavam as exigências soviéticas de tempos em tempos. O termo foi cunhado durante a Guerra Fria e foi aplicado a outros países nos quais uma superpotência exerce controle sobre estados vizinhos menores.

Os atos de equilíbrio de ambos os países efetivamente terminaram com o colapso da União Soviética. A Suécia e a Finlândia juntaram-se à União Europeia em 1995 e gradualmente alinharam suas políticas de defesa com o Ocidente, enquanto ainda evitavam aderir à Otan.

Como a invasão da Rússia mudou tudo

Suécia e Finlândia vêm avançando em direção ao Ocidente em questões de segurança desde que aderiram à UE logo após o fim da Guerra Fria. Mas a invasão da Ucrânia pela Rússia acelerou dramaticamente esse processo, levando-os a puxar o gatilho para a adesão à Otan.

Se o Kremlin estivesse disposto a invadir a Ucrânia – um país com 44 milhões de pessoas, um PIB de cerca de US$ 516 milhões e forças armadas de 200.000 soldados ativos – o que impediria Putin de invadir países menores como Finlândia ou Suécia?

“Tudo mudou quando a Rússia invadiu a Ucrânia”, disse a primeira-ministra finlandesa, Sanna Marin, em abril. “A mentalidade das pessoas na Finlândia, também na Suécia, mudou e mudou muito dramaticamente.”

Desde a invasão da Ucrânia em fevereiro, o apoio público finlandês à adesão à Otan saltou de cerca de 30% para quase 80% em algumas pesquisas. A maioria dos suecos também aprova a adesão de seu país à aliança, de acordo com pesquisas de opinião.

Como a Rússia reagiu?

A Rússia criticou a decisão de maio da Finlândia e da Suécia de tentar ingressar na aliança. Seu vice-ministro das Relações Exteriores, Sergei Ryabkov, disse na época que a medida seria um “erro” com “consequências de longo alcance”, segundo a agência de notícias estatal russa TASS.

Isso seguiu ameaças semelhantes de altos funcionários de Moscou. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse após o anúncio que “a expansão da Otan não torna o mundo mais estável e seguro”. Ele acrescentou que a reação da Rússia dependerá “de quão longe e quão perto de nossas fronteiras a infraestrutura militar se moverá”.

A Rússia atualmente compartilha cerca de 1215 quilômetros de fronteira terrestre com cinco membros da Otan, de acordo com a aliança. A adesão da Finlândia significaria que uma nação com a qual a Rússia compartilha uma fronteira de 1336 quilômetros se tornaria formalmente alinhada militarmente com os Estados Unidos.

A adição da Finlândia e da Suécia também beneficiaria a aliança, o que frustraria a Rússia. Ambos são potências militares sérias, apesar de suas pequenas populações.

Mas Putin até agora tem sido mais silencioso em sua retórica do que alguns de seus funcionários. No mês passado, ele disse que “a Rússia não tem problemas com esses Estados”, acrescentando que a expansão da Otan “não representa uma ameaça direta à Rússia”.

“Mas a expansão da infraestrutura militar neste território certamente causará nossa resposta”, acrescentou ele na Organização do Tratado de Segurança Coletiva em Moscou. “Vamos ver o que será com base nas ameaças que serão criadas para nós.”

Por que a Rússia se opõe tanto à Otan?

Putin vê a aliança como uma defesa contra a Rússia, apesar de ter passado grande parte da era pós-soviética concentrando-se em questões como terrorismo e manutenção da paz.

Antes de Putin invadir a Ucrânia, ele deixou claro sua crença de que a Otan havia se aproximado demais da Rússia e deveria ser despojada de suas fronteiras na década de 1990, antes que alguns países vizinhos da Rússia ou ex-estados soviéticos se juntassem à aliança militar.

O desejo da Ucrânia de ingressar na Otan e seu status como parceiro da Otan – visto como um passo no caminho para uma eventual adesão plena – foi uma das inúmeras queixas citadas por Putin na tentativa de justificar a invasão.

Ironicamente, sua invasão deu um novo propósito à aliança – e aumentou sua força.

*Com informações de: Luke McGee, Nic Robertson, Paul LeBlanc, Per Bergfors Nyberg e Niamh Kennedy da CNN e Reuters.

Etiquetas

O Pipoco

Jornalismo sério com credibilidade. A Verdade nunca anda sozinha. Apresentaremos fatos num jornalismo investigativo e independente. Com o único compromisso de mostrar para Você, Cidadão, o que acontece nos bastidores da Política; da Administração e Outros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar