Mundo

China já pode ter 80 milhões sem trabalho; especialista vê risco de distúrbios

china-coronavirus China já pode ter 80 milhões sem trabalho; especialista vê risco de distúrbios

Wang está acostumado a procurar trabalho na China. O técnico da área de tecnologia, de 26 anos, passou o último ano pulando de uma startup para outra no que já parecia um mercado de trabalho precário. Mas quando ele foi demitido novamente em janeiro, desta vez de uma empresa de internet com sede em Pequim, ele nunca esperava que as coisas se tornassem tão difíceis quanto são.

No ano passado “já parecia estar vivendo um inferno”, Wang disse à CNN Business em entrevista por telefone. “Mas 2020 é ainda pior. O coronavírus é como um golpe frontal.”

Wang é um nome que torna difícil identificá-lo, de tão comum na China. Ele pediu à reportagem que não usasse seu nome completo porque não queria que amigos ou familiares soubessem os detalhes de seu desemprego – um medo ecoado por outros na China que falaram sobre o assunto. Alguns também expressaram preocupação de que tornar pública sua situação pessoal poderia prejudicar suas chances de encontrar trabalho.

A pandemia quase paralisou a China por várias semanas este ano, causando estragos na segunda maior economia do mundo e forçando milhões de pessoas a ficarem sem trabalho.

É difícil capturar a escala total de quantas pessoas perderam seus empregos no país. Os dados de Pequim são notoriamente opacos, e a taxa de desemprego oficial – que apenas rastreia o número de desempregados nas áreas urbanas – mal ultrapassou os 4% para pouco mais de 5% durante anos.

Mas mesmo a contagem oficial começou a registrar um aumento. O desemprego em março foi de 5,9%, um pouco abaixo do recorde de 6,2% registrado no mês anterior. Isso representaria mais de 27 milhões de pessoas desempregadas, segundo um cálculo da CNN Business usando dados do governo.

“O desemprego na China pode ser seriamente subestimado”, disse Willy Lam, professor adjunto do Centro de Estudos da China da Universidade Chinesa de Hong Kong. “É incomum que eles estejam dispostos a relatar esses dados ruins. Como o governo geralmente mascara os números, a situação real deve ser pior.”

Risco de distúrbios
Os dados de Pequim, afinal, não incluem pessoas de comunidades rurais ou os 290 milhões de trabalhadores migrantes que trabalham na construção, manufatura e outras atividades de baixo pagamento, mas vitais. Se esses migrantes forem incluídos, até 80 milhões de pessoas poderiam estar sem trabalho no final de março, de acordo com um artigo co-escrito no mês passado por Zhang Bin, economista da Academia Chinesa de Ciências Sociais, um think-tank administrado pelo governo.

Outros especialistas dizem que o número de 80 milhões provavelmente está muito mais próximo da realidade. Também é mais perturbador – significaria que quase 10% das pessoas na China que deveriam estar empregadas estão atualmente sem trabalho, de acordo com economistas da Société Générale.

“O choque do Covid-19 no mercado de trabalho é sem precedentes em sua escala, extensão e natureza”, escreveram Wei Yao e Michelle Lam em um relatório de pesquisa na semana passada.

O Ministério do Comércio não respondeu a um pedido da CNN Business para comentar o caso. Falando no mês passado, um porta-voz do Bureau Nacional de Estatísticas da China reconheceu que o mercado de trabalho estava sob muita pressão, mas ele insistiu que o emprego geral é “estável”.

“Embora o coronavírus tenha tido um forte impacto [nos empregos], não há demissões em massa no país”, disse Mao Shengyong em entrevista coletiva.

Mas Pequim está se preparando para mais problemas nos próximos meses. Um número recorde de pessoas está se formando nas universidades este ano, o que colocará mais pressão no mercado de trabalho. E embora a economia ainda possa obter algum crescimento em 2020, seu caminho para uma recuperação completa provavelmente será longo.

O governo chinês nunca foi sincero sobre seus problemas econômicos. Porém, mensagens recentes de funcionários deixaram claro que o desemprego é um grande problema.

O crescimento econômico já era o mais fraco em décadas antes que o surto levasse o país à sua primeira contração desde 1976, quando a morte do líder do Partido Comunista Mao Tsé-Tung terminou uma década de tumulto social e econômico.

Os problemas econômicos se tornaram mais críticos nos últimos meses. Em abril, o Politburo do Partido Comunista disse a todos os funcionários do governo que priorizassem a segurança no emprego e a estabilidade social acima de qualquer outra coisa, segundo a agência de notícias estatal Xinhua.

Trazer as pessoas de volta ao trabalho é importante também porque as autoridades temem que uma onda de desemprego possa levar a distúrbios sociais, criando uma enorme dor de cabeça política, segundo Lam, professor da Universidade Chinesa de Hong Kong.

“A maior preocupação de Pequim não é o crescimento do PIB, mas o emprego”, afirmou ele.

‘Me sinto miserável’
Os candidatos a emprego não estão otimistas de que a situação melhorará em breve. Wang, o profissional de tecnologia de Pequim, disse que parece que a vida é difícil para todos no momento.

“Sinto-me miserável, mas não posso fazer nada a respeito”, disse ele. “Eu acho que ninguém pode.”

Wang disse que o ambiente atual contrasta fortemente com quando se formou na faculdade em 2015. Naquela época, Pequim estava oferecendo subsídios e outras formas de apoio financeiro às startups, o que incentivou os empreendedores a criar milhões de novas empresas. A taxa de desemprego naquele ano foi de cerca de 5%.

Mesmo antes do surto de coronavírus, Wang disse que as ofertas estavam secando. As startups de tecnologia nas quais ele trabalhou em 2018 e 2019 ficaram sem dinheiro, já que Pequim reforçou os regulamentos sobre como eles poderiam obter investimentos.

Mas agora ele diz que encontrar trabalho é quase impossível. Ele e seus amigos começaram a diminuir suas expectativas, e alguns deles nem sabem ao certo se podem ficar em Pequim.

“Já havia sinais no ano passado [de desemprego em massa], mas este ano está piorando”, disse Wang. “Não sei quando as coisas vão melhorar … vou apenas esperar.”

Há evidências de que ficou mais difícil encontrar trabalho. As vagas de emprego caíram 28% nos três primeiros meses de 2020 em comparação com o quarto trimestre do ano passado, de acordo com uma pesquisa recente do Instituto de Pesquisa de Emprego da China e Zhaopin.com, um dos maiores locais de trabalho da China. A competição, entretanto, foi mais acirrada: o número de candidatos a emprego saltou quase 9% no primeiro trimestre, mostrou a pesquisa.

E as empresas do setor de serviços da China – que respondem por quase metade de todos os empregos no país – dispensam trabalhadores a uma taxa recorde em abril, de acordo com dados da pesquisa divulgada quinta-feira pelo grupo de mídia Caixin e pela empresa de pesquisa Markit.

“Sinto que o mercado de trabalho está encolhendo rapidamente”, disse Yi Feng, 32 anos, que perdeu o emprego em março em uma empresa de logística em Xangai. Yi solicitou que a CNN Business usasse um pseudônimo para ele, que ele escolheu, acrescentando que temia que falar abertamente sobre seus problemas equivalesse a queimar pontes com potenciais empregadores. “É extremamente difícil encontrar um emprego agora, porque a maioria das empresas congelou suas contratações desde o final de março”.

‘Não existem anúncios’
O cenário pode ficar ainda mais difícil nas próximas semanas. Pequim espera que cerca de 8,7 milhões de pessoas se formem em faculdades e universidades neste ano, criando ainda mais concorrência pelo trabalho.

“Antes da minha formatura, eu pretendia me tornar jornalista. Mas este ano é realmente muito difícil”, disse Andrea Yao, 22 anos, sénior na Universidade de Comunicação da China, em Pequim. Ela disse que deveria fazer uma entrevista em um jornal em Wuxi no mês passado, mas não pôde ir porque não conseguiu obter o “código de saúde” necessário para entrar na cidade.

Yao disse à CNN Business que procurou 61 empresas sobre empregos, mas apenas cinco pediram seu currículo. Muitas empresas queriam candidatos que já tinham experiência.

Recentemente, “quando eu estava pegando o metrô para [um estágio], de repente senti uma explosão de ansiedade no coração quando pensei no fato de que não havia encontrado um emprego”, disse ela.

Outros disseram que o coronavírus interrompeu seus planos. Li Cuiyu, que se formou na Universidade de Agricultura da China, com mestrado em Pequim, disse que queria se tornar uma funcionária pública para obter um altamente cobiçado “hukou”, ou permissão de registro doméstico, na capital chinesa. Mas o exame anual necessário para esse trabalho foi adiado por causa do surto.

Enquanto Li cogita outras opções – ela estava procurando emprego em empresas estrangeiras em Pequim, por exemplo – isso também não foi fácil.

“Simplesmente não existem muitos anúncios de recrutamento por aí, e algumas empresas estrangeiras já estão demitindo funcionários”, disse ela.

Ajuda de cima
Pequim está ciente da onda iminente de novos candidatos a emprego. O governo divulgou nesta semana um plano para ajudar os recém-formados a encontrar empregos como professores e criar outros cargos de “nível de base”, segundo a Xinhua. O projeto também inclui uma proposta para expandir a inscrição em programas de pós-graduação.

Mas as autoridades ainda têm uma tarefa difícil pela frente, enquanto tentam ajudar outras pessoas que perderam o emprego.

“Uma preocupação específica é que a rede de segurança não pegue os mais vulneráveis”, escreveu Mark Williams, economista-chefe da Ásia para a Capital Economics, em uma recente pesquisa.

Todos os empregadores na China são legalmente obrigados a fornecer seguro-desemprego. Porém, menos da metade da força de trabalho urbana estava coberta por esse programa no final do ano passado, segundo dados do Ministério de Recursos Humanos e Seguridade Social. E especialistas, incluindo economistas da Société Générale, observaram que o programa está mal equipado para lidar com o aumento massivo de números de desempregados.

O governo parece ter reconhecido essas questões, acrescentou Williams, uma vez que se comprometeu recentemente a ajudar os que não têm emprego a acessar o seguro.

Mas outros especialistas apontaram que há outros desafios enfrentados por Pequim, enquanto tenta empurrar seus cidadãos de volta ao trabalho.

A China já está lutando com o aumento da dívida, o que torna difícil gastar mais em projetos de infraestrutura que possam criar mais empregos, de acordo com Joseph Cheng, ativista da democracia e professor aposentado de ciência política na Universidade da Cidade de Hong Kong. A mídia estatal chinesa sugeriu recentemente que os governos regionais poderiam investir US$ 1,1 trilhão em estradas, aeroportos e outros projetos, mas esses fundos ainda não foram reservados e não está claro se essas metas podem ser alcançadas.

Vários especialistas disseram que os formuladores de políticas na China devem se esforçar mais para garantir que as pessoas possam atender às suas necessidades diárias básicas. Os economistas da Société Générale, por exemplo, disseram que uma “medida mais direta, mas audaciosa” seria dar dinheiro diretamente a famílias de baixa renda, para contornar a necessidade de um programa de seguro-desemprego.

Até Zhang, o economista do think-tank estatal, apresentou uma proposta semelhante. Ele disse que a resposta do governo às consequências econômicas do vírus – que totaliza dezenas de bilhões de dólares em ajuda e estímulo financeiros – deve incluir doações em dinheiro para os pobres.

CNN

Etiquetas

O Pipoco

Jornalismo sério com credibilidade. A Verdade nunca anda sozinha. Apresentaremos fatos num jornalismo investigativo e independente. Com o único compromisso de mostrar para Você, Cidadão, o que acontece nos bastidores da Política; da Administração e Outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar