Paraíba

Jungmann muda versão de que munição que matou Marielle tinha sido roubada dos Correios na PB

Jungmann-300x200 Jungmann muda versão de que munição que matou Marielle tinha sido roubada dos Correios na PB

O Ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, mudou nesta segunda-feira (19) a versão de que a munição usada no assassinato da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL-RJ) tinha sido roubada dos Correios na Paraíba. Na sexta-feira (16), o ministro disse durante uma entrevista que as munições utilizadas no crime tinham sido roubadas de um carregamento da Polícia Federal.

>>> Jungmann diz que munição que matou Marielle foi roubada da PF na Paraíba

O novo posicionamento foi publicado nesta segunda-feira através de nota oficial do Ministério. Nela, o órgão diz que “o ministro não associou diretamente o episódio da Paraíba com as cápsulas encontradas no local do crime que vitimou a vereadora e seu motorista”, mas que “explicou que a presença dessas cápsulas da PF no local pode ter origem em munição extraviada ou desviada e informou que há outros registros de munição da Polícia Federal encontradas em outras cenas de crime sob investigação”.

Veja a íntegra da nota do Ministério da Segurança Pública

Segundo a nota, munição do mesmo lote foi encontrada em um arrombamento à Agência dos Correios de Serra Branca, na Paraíba, ocorrido no dia 24 de julho do ano passado. “O arrombamento foi seguido de explosão do cofre de onde foram subtraídos objetos e valores. Na cena do crime a PF encontrou cápsulas de munições diversas, dentre elas do lote ora investigado”, diz a nota. O caso é, ainda de acordo com a nota, alvo de inquérito instaurado pela Polícia Federal.

Ainda segundo a nota, “o ministro citou os episódios da Paraíba e da superintendência do Rio, esta em 2006, como exemplos de munição extraviada que acabam em mãos de criminosos”. Além disso, diz que “a Polícia Federal prossegue no rastreamento de possíveis outros extravios”.

Marielle-Franco Jungmann muda versão de que munição que matou Marielle tinha sido roubada dos Correios na PBMarielle Franco foi morta a tiros na quarta-feira (14)

Órgãos se posicionam

Segundo o primeiro posicionamento do ministro, informações que chegaram a ele davam conta de que a munição tinha sido subtraída da sede dos Correios na Paraíba “anos atrás”. No sábado (17), a superintendência dos Correios na Paraíba declarou desconhecer que o material tinha sido roubado de sua sede no Estado.

De acordo com os Correios na Paraíba “não houve nenhum registro de furto ou roubo a carga da Polícia Federal e os Correios também não foram notificados pela PF de nenhum incidente deste tipo”, pelo menos não na última década. A informação foi repassada por telefone pela assessoria de imprensa. No final da tarde, o órgão divulgou uma nota oficial sobre o assunto, onde explica que a empresa não aceita postagem de remessas contendo armas ou munição, exceto quando autorizado por legislação específica. (confira na íntegra no final da reportagem)

Procurada pela JORNAL DA PARAÍBA, a Superintendência da Polícia Federal na Paraíba afirmou ainda no sábado que não iria se posicionar sobre o caso. Nesta segunda-feira (19), o órgão informou às 15h que publicaria uma nota sobre o caso. Também foi feito contato através de e-mail com a Direção Geral da Polícia Federal, em Brasília, mas até as 15h20 não havia recebido retorno.

Tiros foram disparados de arma calibre 9mm

Segundo a perícia da Polícia Civil do Rio de Janeiro, os disparos que levaram a morte de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes foram efetuados por uma arma de calibre 9mm. E a munição utilizada pertence a um lote vendido a Polícia Federal em Brasília em 2006.

De acordo com as investigações, a Polícia Federal comprou no dia 29 de dezembro de 2006, munições do lote UZZ-18, com notas fiscais emitidas pela Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC). O lote continha mais de 1,8 milhões de cápsulas. A munição foi distribuída para as Superintendências da São Paulo, Rio de Janeiro e do Distrito Federal, receberam mais de 200 mil balas cada uma e as munições restantes foram distribuídas para as demais superintendências da PF.

Após a descoberta da origem das munições a PF emitiu uma nota conjunta de que vai colaborar com a Polícia Civil do Rio de Janeiro nas investigações do crime. Raul Jungmann disse que a corporação destacou “o melhor especialista em impressões digitais e DNA” para avaliar o material das cápsulas encontradas no local onde Marielle e o motorista do carro em que ela estava foram mortos.

Na última quarta-feira (14), a vereadora Marielle Franco foi executada com quatro tiros na cabeça, quando ia para casa no bairro da Tijuca, zona norte do Rio, retornando de um evento ligado ao movimento negro, na Lapa. A parlamentar viajava no banco de trás do carro, quando criminosos emparelharam um veículo com o carro da vítima e dispararam nove vezes. O motorista do veículo, Anderson Gomes também morreu. Uma assessora que também estava no carro sobreviveu ao ataque.

Na Paraíba, dois atos homenagearam a vereadora. Em João Pessoa, uma vigília reuniu cerca de 500 pessoas na Lagoa, no Centro. Já em Campina Grande o ato aconteceu no Calçadão da Cardoso Vieira. Em ambos, as pessoas levaram cartazes, manisfestaram a indignação pela morte de Marielle Franco e de Anderson Gomes e pediram que o crime seja elucidado rapidamente.

Marielle

Marielle Franco tinha 38 anos e foi a quinta vereadora mais votada do Rio de Janeiro nas eleições de 2016, com 46.502 votos.

Socióloga formada pela PUC-Rio e mestra em Administração Pública pela Universidade Federal Fluminense (UFF), teve dissertação de mestrado com o tema “UPP: a redução da favela a três letras”.

Atualmente ela era relatora da Comissão de acompanhamento às ações de intervenção militar na Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, trabalho esse que já apontava para o abuso de poder por parte de policiais do 41º Batalhão da PM do Rio de Janeiro contra moradores de Acari.

Nota dos Correios

“Em resposta às recentes notícias sobre suposto desvio de carga pertencente à Polícia Federal ocorrido nos Correios, a empresa esclarece que, no passado recente, não há nenhum registro de qualquer incidente dessa natureza e que está apurando internamente as informações.

A empresa não aceita postagem de remessas contendo armas ou munição, exceto quando autorizado por legislação específica. Neste caso, o tráfego, via Correios, de produtos controlados pelo Exército, submete-se às disposições estabelecidas no Regulamento para a Fiscalização de Produtos Controlados, conforme a Portaria nº 015/2009 – Colog/Ministério da Defesa.

Por serem os Correios uma empresa pública, situações envolvendo armas, munições, drogas e outros itens proibidos no tráfego postal são encaminhadas à Polícia Federal, para investigação. No caso do Rio de Janeiro, já foi instaurado inquérito pela PF, que é o órgão competente para prestar mais esclarecimentos sobre a matéria.”

O Pipoco

Jornalismo sério com credibilidade. A Verdade nunca anda sozinha. Apresentaremos fatos num jornalismo investigativo e independente. Com o único compromisso de mostrar para Você, Cidadão, o que acontece nos bastidores da Política; da Administração e Outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo