Cidades

Não há previsão de chuvas fortes na Paraíba em agosto, diz Aesa

raios_e_chuva_forte-635x340-300x161 Não há previsão de chuvas fortes na Paraíba em agosto, diz Aesa

Não há previsões de fortes chuvas, que sejam suficientes para recarregar açudes secos na Paraíba, pelo menos em agosto. A constatação foi revelada nesta quinta-feira (4) pela Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa).
Segundo a Aesa, além de julho ter sido um mês fraco para chuvas, a situação não deve ser muito diferente neste mês de agosto. A principal causa para a redução significativa das chuvas foi a diminuição da força dos ventos que trazem a umidade do Oceano Atlântico para a costa nordestina.
Por conta disso, até mesmo em João Pessoa, que é a cidade onde mais houve chuva neste ano, a Aesa registrou apenas 45,8 milímetros (mm) de pluviometria em julho, frente aos 240 mm de média histórica. Uma queda de 81% no índice.
A Aesa também anotou índices pluviométricos bem abaixo da média histórica em cidades localizadas nas regiões Brejo e Agreste. Em Campina Grande, onde a média histórica de julho é 110 milímetros, choveu 17,4 milímetros. Já em Areia, a média é 190 milímetros, mas o registrado foi 35,4.
“Houve uma diminuição no Sistema de Alta Pressão do Atlântico Sul. Durante os meses de junho e julho a atuação dele foi fraca, o que fez com que os ventos que trariam umidade para a nossa costa não conseguissem chegar aqui. Além disto, a temperatura do Oceano Atlântico não estava aquecida o suficiente para que ocorressem maiores chuvas na faixa leste do Nordeste”, explicou a meteorologista da Aesa, Marle Bandeira.
A perspectiva é de que este sistema meteorológico continue com uma atuação tímida durante este mês. “Acreditamos que as chuvas devem ficar um pouco abaixo da média em agosto no Litoral, Brejo e Agreste. No caso do Cariri e Sertão, não são esperadas chuvas significativas nesta época do ano, uma vez que os maiores índices pluviométricos nestas regiões ocorrem em fevereiro, março e abril”, completou Bandeira.
Quanto à situação hídrica do estado, dos 126 reservatórios monitorados pelo Governo do Estado, 36 estão com mais de 20% do seu volume total, 36 tem menos de 20%, 51 estão em situação crítica (com menos de 5% do volume total) e três estão sangrando.

O Pipoco

Jornalismo sério com credibilidade. A Verdade nunca anda sozinha. Apresentaremos fatos num jornalismo investigativo e independente. Com o único compromisso de mostrar para Você, Cidadão, o que acontece nos bastidores da Política; da Administração e Outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar