Esportes

Segundo diretora da FPF, ‘crise pode nos ensinar a fazer futebol mais sustentável’

process Segundo diretora da FPF, ‘crise pode nos ensinar a fazer futebol mais sustentável’

Assim como o mundo todo, o futebol também está em crise. A paralisação dos torneios futebolísticos desde a segunda quinzena de março só trouxe (infelizmente) impactos negativos. Clubes vivem tempos tenebrosos com corte de salários (funcionários e atletas) e de patrocínios. Federações e CBF unem-se nesse momento mais do que nunca. O objetivo é claro e comum: oferecer suporte aos clubes de futebol e dar a volta por cima dessa realidade, principalmente no ramo da economia.

A diretora da FPFAline Pelegrino, observa esse cenário atual como um momento de reflexão para fazer o futebol de um modo sustentável. “É um momento grande de reflexão. A mensagem é clara: a gestão tem que ser mais sustentável. É hora de fazer essa reflexão, entender melhor de onde vem e para onde vai o dinheiro. Dá pra ser mais sustentável”, declarou a ex-capitã da seleção brasileira e diretora de futebol feminino da entidade, em entrevista ao Blog ​Dibradoras.

O questionamento de Aline traz à tona que poucos clubes possuem recursos para sobreviver. Muitos deles não conseguem administrá-los, pois há pagamentos exacerbados a atletas renomados. Se todos os clubes tivessem o famoso ‘dinheiro sobrando’, definitivamente o estrago não seria tão grande.

“A crise evidencia, mais uma vez, um recado a todos do futebol: que você tem que gastar menos do que você arrecada. Ela pode nos ensinar a fazer futebol mais sustentável”, diz Aline, que também comentou sobre o impacto da paralisação no futebol feminino.

“Acredito que o futebol feminino num cenário desses pode se adaptar melhor. Porque sempre faltou (recurso). Nunca teve moeda na mesa. Então nisso a gente pode se adaptar melhor.” O futebol feminino, por exemplo, não sofrerá com perda de verbas da TV, até porque isso nunca existiu.

Muito menos com perda de venda de ingressos, pois a maioria dos jogos femininos são gratuitos. Mas, o que ainda bate na tecla é a perda de patrocínios e como clubes sobreviverão nessa guerra. Na última quarta-feira (22), a FPF realizou uma reunião exclusivamente com clubes femininos sobre o destino do Paulistão 2020que estava marcado para começar no dia 12 de abril, mas foi interrompido devido à pandemia da covid-19.

FPF irá avaliar qual a melhor alternativa para manter tudo o que estava planejado. Essa temporada seria a primeira em que a entidade ofereceria premiação para campeão e vice, além de uma verba para todos os times participantes (seriam distribuídos R$300 mil no total). Com a queda de arrecadação da Federação, a maior financiadora do torneio feminino, algumas mudanças serão feitas.

Cursos, palestras e atendimento psicólogo serão meios alternativos a serem oferecidos às equipes femininos em decorrência ao cenário atual. Ainda não se sabe ao certo o destino do futebol feminino e masculinoEssa incerteza assombra clubes, diretores e atletas. Já Aline Pellegrino opta por ser otimista durante a quarentena, trazendo um novo olhar para o futebol feminino. “Vamos passar por isso e vamos voltar mais fortes”, finaliza.

90 MIN

Etiquetas

O Pipoco

Jornalismo sério com credibilidade. A Verdade nunca anda sozinha. Apresentaremos fatos num jornalismo investigativo e independente. Com o único compromisso de mostrar para Você, Cidadão, o que acontece nos bastidores da Política; da Administração e Outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar