DestaquesDiversas

O Poder do Couro em Cabaceiras no Cariri paraibano

0008_foto-couro-rammom-monte O Poder do Couro em Cabaceiras no Cariri paraibano

O velho ditado diz que o bom filho à casa torna. E se tem um lugar onde essa frase pode ser facilmente aplicada é no distrito da Ribeira, localizado na cidade de Cabaceiras, no Cariri paraibano e a 201 km de distância de João Pessoa. Sem oportunidades de trabalhos, os jovens daquele local estavam deixando suas casas e migrando para os grandes centros do país, a exemplo de Rio de Janeiro e São Paulo. Mas, uma iniciativa posta em prática no fim dos anos 90, mudou completamente esta realidade. Há pouco menos de 20 anos nascia a Arteza, a Cooperativa de Curtidores e Artesãos em Couro de Ribeira. Com ela, era plantada também uma semente que já deu muitos frutos e que hoje é exemplo em várias comunidades do Nordeste brasileiro. A Arteza hoje, além de ser referência na área, é a principal responsável pela vida da Ribeira e, por conta dela, os jovens não precisam mais deixar sua terra amada, além de ter uma boa fonte de renda: o couro.

 Tudo começou no fim dos anos 80, começo dos anos 90. Um filho, neto, bisneto e tataraneto de curtumeiro (como são chamadas as pessoas que trabalham no curtume do couro) percebeu que a profissão estava em queda e que as pessoas da comunidade não queria mais ficar em suas terras, já que faltava oportunidade de emprego. Com isto, ele começou a planejar uma maneira de fortalecer o couro novamente e devolver a identidade dos habitantes da Ribeira. O nome deste cidadão é José Carlos de Castro, mais conhecido como Carlinhos, de 62

“Em 88 comecei a trabalhar no curtume. E via que estava dando para trás. Existiam 15 famílias trabalhando com curtume na época do pai e em 88 fiz um levantamento e só restavam seis. Porque não existia mercado. E no artesanato eram 12 e restavam cinco. Eu já tinha feito um curso e voltei para a universidade para me capacitar mais e ao voltar comecei um movimento. E percebi muita distância das pessoas, porque o individualismo reinava. Então eu me aquietei e comecei a aplicar aquilo que eu aprendi no meu material da família. Então comecei a melhorar o produto e as pessoas começaram a observar aquilo.Então começaram a se chegar. Comecei a arrebanhar o grupo e a coisa começou a melhorar. Foi quando comecei a procurar parcerias”, explica.

0009_fulao-rammom-monte-300x169 O Poder do Couro em Cabaceiras no Cariri paraibanoCom a confiança dos curtumeiros, Carlinhos começou a empreitada que anos depois viria a ser uma referência no Brasil. Foi então que começou a busca por parceiros para pôr em prática a ideia de criar uma associação (que só mais tarde seria percebido que na verdade se tratava de uma cooperativa). O primeiro a ‘comprar a ideia’ foi o prefeito de Cabaceiras na época. Em seguida veio o governo do Estado, através da já extinta Secretaria de Indústria e Comércio. Com o tempo vieram o Sebrae e o Senai. Mas mesmo com todas estas parcerias, surgiu um problema. A técnica de curtir o couro utilizada por Carlinhos era através da casca da árvore de Angico, mas na época o Ibama não permitia que fosse cortado o Angico. E foi aí que mais uma vez a sabedoria de Carlinhos prevaleceu.

“O angico, de onde a gente tira a seiva chamada tanino, para curtir a pele, era apadrinhado pelo Ibama, que não podia se cortar o Angico. Então, em 91 e 92 eu fiz um corte-acompanhamento do angico, fotografando de 3 em 3 meses e mandei estas fotos para o Ibama. Mas o diretor do Ibama disse que era montagem, mas outra pessoa indicou para mandar para a Universidade de Patos. Aí eu autorizei mandar. E eles (a Universidade), três anos depois, mandaram uma pessoa para acompanhar isto de perto. Levei esta pessoa para Sumé, onde a mata da região é praticamente Angico. Ela passou dois anos trabalhando lá, acompanhado a evolução do Angico e mandando relatório para o Ibama de dois em dois meses. Foi aí que eles então acreditaram”, disse, para arrematar logo em seguida que o que antes seria uma associação, passaria a virar uma coop

 0013_sandalias-foto-vinicius-miron-300x169 O Poder do Couro em Cabaceiras no Cariri paraibano“Quando a gente formou o grupo, com prefeitura municipal, governo do estado, através da Secretaria de Indústria e Comércio, Sebrae, Senai, Universidade de Patos e de Areia, a gente pensou em formar a associação. Convidamos algumas pessoas para participar da reunião. No dia de formar a associação veio um especialista, que era um velho conhecido meu e ele disse que a gente tinha que formar uma cooperativa, pelo fato do nosso trabalho ser de fins lucrativo. E na mesma hora a gente mudou e começou o trabalho em cima de uma cooperativa. A associação não chegou nem a existir, ela foi mudada no dia de ser formada para cooperativa”, disse.
Portal correio

O Pipoco

Jornalismo sério com credibilidade. A Verdade nunca anda sozinha. Apresentaremos fatos num jornalismo investigativo e independente. Com o único compromisso de mostrar para Você, Cidadão, o que acontece nos bastidores da Política; da Administração e Outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar